Conheça um pouco da história da corrida de São Silvestre - KinesioSport

Conheça um pouco da história da corrida de São Silvestre

A tradicional Corrida Internacional de São Silvestre chega a sua 95ª edição no dia 31 de dezembro de 2019. A prova é realizada anualmente em São Paulo (SP) sempre no dia 31, data de morte do Papa São Silvestre, que dá nome a corrida.

Embora muitas pessoas falem em “maratona de São Silvestre”, a corrida não é uma maratona, pois teria que compreender a distância de 42,195 km e a prova realizada no dia 31 tem 15 km percurso (desde 1990).

Curiosidades

– A primeira edição foi realizada em 1935 e teve 8,8 km de distância;

– Da criação até 1944, a prova era disputada apenas por corredores brasileiros;

– Em 1975 a prova começou a aceitar a inscrição de mulheres.

História

De acordo com a Wikipédia, o criador foi o jornalista Cásper Líbero, idealizador da Gazeta Esportiva. Líbero se inspirou em uma corrida noturna francesa em que os atletas carregavam tochas e após assistir ao evento em Paris, em 1924, decidiu criar uma prova noturna em São Paulo, cuja primeira edição aconteceu em 31 de dezembro de 1925.

A São Silvestre era disputada no período da noite até 1988. Em 1989, passou a ser realizada à tarde. Desde 2012 acontece pela manhã. E desde 1990 o percurso da prova tem 15 km.

Devido à ausência de horário de verão na temporada 2019/2020, a largada do pelotão geral foi antecipada para as 8h05. A primeira da manhã de 31/12 será a dos cadeirantes, prevista para as 7h25; as corredoras da elite largarão às 7h40. Os horários poderão ser reajustados em dez minutos até a semana do evento.

Outra novidade de 2019 é o número máximo de atletas, que, segundo o regulamento, será de 35 mil, isto é, cinco mil a mais que nas mais recentes edições.

Vencedores

O maior vencedor – e também recordista – da prova é o queniano Paul Tergat com cinco vitórias e, entre as mulheres, a portuguesa Rosa Mota, que com seis vitórias consecutivas nos anos 1980 é a maior vencedora geral. Entre os brasileiros, o título fica com Marílson Gomes dos Santos, com três vitórias.

A primeira edição da prova teve 60 inscritos, e o primeiro vencedor foi o jogador de futebol Alfredo Gomes, que completou os 8,8 km em 33 minutos e 21 segundos.

Em 2019 a prova passa a ser da categoria Road Race Bronze Label da World Athletics (IAAF), entrando para o rol das principais corridas do mundo. Ao lado da Maratona de São Paulo e da Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro, são as únicas provas de corrida de rua do Brasil a possuir o Bronze Label, que atesta a qualidade e excelência técnica das provas.

Além do espírito competitivo, é claro, já que é uma prova, a corrida tem a participação de diversas pessoas que vão fantasiados celebrar o momento. Além de milhares de brasileiros que vão às ruas assistir e torcer pelos corredores. E aí, vai torcer também?

 

Foto: Sergio Barzagui/Gazeta Press