Lesões comuns na prática de Triathlon e como evitá-las - KinesioSport

Lesões comuns na prática de Triathlon e como evitá-las

O Triatlo ou Triathlon é um tipo de competição esportiva que envolve três modalidades: natação, ciclismo e corrida. Por causa da grande intensidade das atividades, como no Ironman, é comum que os atletas sofram lesões tanto durante as provas quanto nos treinos.

O melhor jeito de manter a performance é por meio da prevenção. Ao reconhecer os casos mais comuns, dá para se preparar e evitar que o problema ganhe intensidade. A informação é a sua grande companheira para enfrentar as modalidades sem prejuízos!

Então, veja quais são as lesões comuns no Triathlon e entenda o que fazer para evitá-las.

Corrida

Verdadeira campeã quando se fala em lesões nessa prática, a corrida é responsável por 53% das ocorrências em atletas amadores. Provas tradicionais têm percursos de 10 km, mas o Ironman chega ao total de 42,2 km.

Por causa do grande impacto com o solo, o joelho é o maior prejudicado nessa etapa da competição. Especialmente nas provas mais longas, é comum que o estiramento dos músculos leve a rompimentos totais ou parciais.

Outras áreas também sofrem bastante, como panturrilhas, coxas e tornozelos. No entanto, em condições normais, são lesões menos graves e causadas, em geral, pelo elevado esforço físico. Se não houver nenhum choque, batida ou desequilíbrio, a recuperação não é tão lenta.

Ciclismo

No ranking das lesões de Triathlon, o ciclismo vem logo em seguida e corresponde a mais de 40% entre os atletas amadores. Nas modalidades tradicionais, os participantes pedalam por 40 km. No Ironman, por 180 km — o que aumenta muito o número de lesões.

Nesse cenário, as lesões mais frequentes são as do tornozelo e das pernas, bem como dos joelhos. Por causa da posição e do esforço físico, as dores nas costas também não são raras. Há, ainda, as pessoas que reclamam de dores no pescoço e nos quadris devido à postura contínua.

Natação

De todas as modalidades da competição, a natação é encarada como a mais leve, graças à distância menor. O nado acontece, em geral, em mar aberto e pode não ser tão fácil. O percurso segue por 1,5 km nas provas tradicionais e por 3,8 km no Ironman.

Mesmo assim, algumas lesões surgem com maior frequência. É o caso dos problemas nos ombros e nos braços. O movimento constante do nado pode gerar estiramento muscular ou, como é comum, luxação óssea ou articular.

Os tendões são os mais afetados no geral e, por isso, merecem atenção. Também não são raros quadros de problemas no pescoço ou na lombar devido ao esforço.

Formas de prevenção

Para obter uma boa performance em vez do abandono da prova, a prevenção de lesões é a melhor saída. Se o objetivo é conquistar bons efeitos, é preciso agir de forma contínua e garantir que os músculos, ossos e articulações estejam prontos para obter os melhores resultados.

Quer descobrir como fazer? Então veja algumas dicas para tornar a prevenção parte do seu cotidiano!

Fortaleça os músculos certos

Já que o cuidado tem que começar muito antes da prova, é essencial realizar exercícios que ajudem a obter o fortalecimento dos grupos mais exigidos durante uma prova de Triathlon. Nesse caso, o ideal é focar áreas como:

Algumas práticas simples, como a prancha, já ajudam a dar uma resistência ampliada para essas áreas. O recomendado é incorporá-las ao seu treino e fazer repetições todos os dias para garantir a força necessária para as regiões.

Tome cuidado com os treinos

As lesões do Triathlon não acontecem apenas nas provas. Elas são mais recorrentes nos treinos do que você pensa, então, toda atenção é necessária para que a sua performance não seja prejudicada.

Nesse sentido, é indispensável moderar os treinos. Se você pratica com grande regularidade, é essencial não impor muita carga nas mesmas áreas em sequência. Treine uma modalidade a cada dia no começo, de modo a evitar os riscos de estiramento.

Também é indispensável saber reconhecer e respeitar os seus limites. Com toda a adrenalina da prática, é comum ignorar os avisos que o corpo envia. Para não dar início a lesões que serão agravadas no futuro, o melhor é saber parar na hora certa.

Além de tudo, não deixe de descansar entre as práticas. Assim, você garante a recuperação adequada para que o corpo não seja prejudicado.

Faça um aquecimento de qualidade

Tanto antes do treino quanto na prova, é essencial deixar o corpo aquecido e preparado para o que virá. A melhor técnica de prevenção de lesões nesse sentido é a realização de um aquecimento gradual.

Faça com que o ritmo cardíaco cresça lentamente, de modo a deixar o corpo mais oxigenado e acelerado para a etapa. Exercícios de alongamento são muito bem-vindos nessa hora, já que ajudam a evitar que os músculos sofram torções ou inchaços, os quais são responsáveis pela perda de performance.

Use bandagens elásticas adesivas

Além de tudo, uma grande aliada para prevenir as lesões é a bandagem elástica adesiva. Feita com tecido elástico especial, oferece aderência à pele, fácil aplicação e ótimos resultados.

Elas podem ser usadas, durante e após os treinos e competições. Posicionadas nas áreas certas, exercem a pressão ideal e favorecem a circulação. Isso leva à diminuição do inchaço e da dor, além de servir para isolar alguns grupamentos.

Podem, ainda, ser aplicadas como forma de dar estruturação e garantir o movimento certo e evitar que movimentos bruscos e com impacto excessivo causem uma lesão. No triathlon, é muito comum o uso de bandagens no ombro (evita lesões na modalidade natação), trapézio e lombar (para amenizar as dores durante o ciclismo) e joelho (evitando lesões na corrida).

O Triathlon exige bastante do físico dos competidores e, com isso, gera lesões. Em provas como o Ironman, é ainda mais importante dar atenção à prevenção, para não sofrer perdas de performance.